Bem - vindo, Belo Horizonte,
Busca:
 
Choose your languague:

A teoria da cognição.


A mente e a consciência

"Atualmente, uma nova compreensão da vida levou a uma das mais importantes conseqüências da filosofia: a concepção inaudita da natureza da mente e da consciência que superou o dualismo cartesiano entre mente e matéria".
No livro "A Consciência na Filosofia e nas Neurociências da Cognição" uma antropologia (1994), seus organizadores declaram com excepcional franqueza na introdução - "Muito embora todos concordem em que a mente em algo a ver com o cérebro, ainda não há consenso generalizado quanto à natureza exata dessa relação".
O grande avanço representado pela neurociência para o conhecimento evolutivo do ser- humano, foi o de perceber que a mente e a consciência são processos e não a visão de Descartes, mantida até as novas descobertas, que relegava a mente ao lugar de "coisa pensante" (res cogitans). A aurora do novo pensamento foi desenvolvida na década de 1960 por Gregory Bateson, quem cunhou o termo "processo mental" e por Humberto Maturana com o seu estudo da cognição - o processo do conhecimento.
Maturana e Francisco Varela, em 1970, ampliaram este estudo o que redundou numa teoria plenamente formada - A Teoria da Cognição de Santiago".

A Teoria da Cognição de Santiago

Idéia central: identificação da cognição, o processo de conhecimento com o processo de viver.
Maturana e Varela definem: a cognição é a atividade que dá garantia a auto- geração e auto- perpetuação das redes vivas, ou seja, o processo da vida, denominado AUTOPOIESE. A autopoiese, portanto, está intrinsicamente ligada à cognição. Isto implica em que a atividade de organização de todos os sistemas vivos é mental e as interações destes organismos com o seu ambiente é cognitiva. Conclui-se: a vida e a cognição estão ligadas definitivamente e a atividade mental é imanente à matéria em todos os níveis de vida.
Sem depender necessariamente de um cérebro e de sistema nervoso conclui-se que sob esta teoria de Santiago, a cognição, percepção, emoções e comportamento envolvem todo o processo da vida.

Para se compreender a autopoiese

"Este sistema sofre mudanças estruturais contínuas ao mesmo tempo em que conserva o seu padrão de organização em teia. Nesta rede os componentes produzem e se transformam uns aos outros, de duas maneiras distintas".

a) Auto-renovação. Os organismos vivos constroem sempre com a divisão das suas células, em seguida constroem estruturas, na medida em que seus tecidos e órgãos substituem suas células contínua e ciclicamente, eles conservam a sua identidade global, seu padrão de organização.
b) Criação de novas estruturas: são as novas conexões da rede auto-influenciadas pelo ambiente ou pela dinâmica interna do sistema. "O sistema vivo se liga estruturalmente ao seu ambiente, através de interações recorrentes, cada uma das quais desencadeia mudanças estruturais no sistema. O sistema nervoso de um organismo muda o seu padrão de ligações nervosas a cada novo estímulo sensorial. Os sistemas vivos são autônomos e o ambiente apenas desencadeia as suas mudanças estruturais; não as especifica e nem as dirige".
Quando um organismo vivo muda suas estruturas para responder à s influências ambientais, esta mutação altera o seu porvir e ele aprende. Interagindo com o ambiente, o organismo vivo, com o tempo, constrói a sua história e a sua estrutura viva é o próprio registro dos desenvolvimentos que alcançou, é o seu registro das mudanças estruturais anteriores. Seguindo estas reflexões conclui-se que se cada mudança estrutural influencia o seu futuro, "o comportamento do organismo vivo é determinado pela sua estrutura". Humberto Maturana.

Liberdade e determinismo

Segundo H. Maturana, o organismo vivo é ao mesmo tempo determinado e livre.
Determinado: o comportamento é determinado.
Livre: mas não é determinado por forças exteriores e sim pela sua estrutura, formada por mudanças estruturais autônomas sucessivas.
Varela e Maturana explicitam, também, que um sistema vivo não pode ser controlado e sim "perturbado" e é capaz de especificar "quais são as perturbações do ambiente que podem desencadear as suas mudanças estruturais". Ele tem a liberdade de "decidir" o que constitui, para ele, uma perturbação. "Esta é a chave da "teoria da Cognição de Santiago". Por que? Torna clara o seu domínio do cognitivo e define a sua extensão, ela "produz o mundo", como dizem Maturana e Varela.
No processo da vida "produzimos o mundo" ao contrário de "representarmos um mundo" que existiria, para nós, independente e pó rsi: "Viver é conhecer". Maturana e Varela.

Mente e cérebro

A mente é identificada com a cognição e com o processo da vida. Esta parece ser uma conclusão vinda da antiguidade. Entretanto, com a "Teoria de Santiago" ressurge novamente, vestida em roupagem científica e moderna. Na antiguidade a mente era um dos aspectos da alma, do espírito.

Na teoria de Santiago esta controversa questão: mente e cérebro, é condusida com simplicidade e clareza. "A mente é um processo identificado com o processo do viver e o cérebro uma estrutura específica através da qual se dá esse processo".
Mente e cérebro, processo e estrutura são relacionados. A cognição não opera só através do cérebro, toda a estrutura do organismo faz parte deste processo independendo de se este organismo tenha um cérebro e um sistema nervoso superior ou não.

E a consciência?

Como fica a consciência dentro da Teoria de Santiago?
Segundo esta teoria, a cognição é um fenômeno mais amplo do que a consciência. O que é consciência? É a experiência vivida e consciente e ela se manifesta em certos graus de complexidade cognitiva exigindo a presença de um cérebro e de um sistema nervoso superior.
William James é considerado por muitos, como sendo o maior psicólogo surgido nos Estados Unidos. Viveu no século 19e a noção de "consciência como sendo um processo" já fazia parte das suas considerações. James era cético quanto às doutrinas materialistas e as combatia ardorosamente, ao mesmo tempo, defendia a interdependência da mente e do corpo.
A sua voz perdeu o volume no tumulto provocado pelo cartesianismo que tomou corpo entre os psicólogos e cientistas naturais, Como o "que vai retorna", já no século passado, nas décadas de 70 e 80, com as novas propostas humanistas e transpessoais sendo formuladas pelos psicólogos, encontrou-se um tabu - a consciência como experiência viva, na área de estudos das ciências da cognição.
Na década de 90, com o avanço da neurociência a coisa mudou de figura. A consciência e o seu estudo ganharam importância e um campo de pesquisas concorrido e respeitado. Todavia e apesar das muitas conferências do tipo - rumo a uma ciência da consciência, da biblioteca surgida e das reportagens científicas, o tema sofreu debates controversos e acirrados e parecia que ninguém concluiria nada a contento, impasse!
Mas o consenso começou a surgir na forma de dois pontos importantes: a "consciência primária", a forma de manifestação da consciência nos mamíferos (na maioria) e talvez em alguns pássaros e outros vertebrados. E a "consciência de ordem superior" ou AUTOCONSCIÊNCIA - a noção de si mesmo, de quem pensa e reflete.
"Este tipo de consciência nasceu durante a evolução dos grandes macacos ou hominídeos, com a linguagem, o pensamento conceitual e todas as características que se manifestam na consciência humana".

Um osso duro de roer

"o problema central da ciência da consciência é o de explicar a experiência subjetiva associada aos acontecimentos cognitivos".
Considerado por todos como sendo o '"osso duro de roer" da ciência da consciência é o desafio de ter que se explicar a "sensação qualitativa" - qualia - que caracteriza cada estado de experiência consciente. A citação ao "osso duro de roer" foi feita num artigo de David Chalmers, filósofo, e é sempre lembrada e citada. "Para explicar a experiência consciente precisamos de um elemento extra na explicação", diz Chalmers.
Pra compreendermos a consciência e para que a ciência da consciência seja formulada corretamente, necessitamos da "trança de três", trançada por Varela: física, bioquímica e biologia do sistema nervoso, e dinâmica não linear das redes neurais.

Os cientistas serão forçados a aceitar um outro paradigma para o qual ainda trocem os seus narizes: os fenômenos subjetivos (ou análise da experiência viva), sem os quais o estudo da ciência da consciência jamais estará completo. Este estudo exige metodologia nova e profunda que poucos cientistas se resolveriam a empreender. Neste ponto, encontraremos verdadeiramente, - "o erro de Descartes" - que o filósofo nos legou como herança.A divisão cartesiana entre mente e matéria - eu e o mundo, levou a humanidade a acreditar piamente que: "noves fora o observador humano", o mundo poderia ser descrito objetivamente e este se transformou no ideal científico vigente até hoje, mesmo com o advento da física quântica, o estudo dos fenômenos atômicos. A Teoria de Santiago representa uma ajuda e tanto nesta mudança necessária de paradigma, pois deixa claro que a cognição não é a representação do mundo, mundo independente de nós mesmos e sim a produção de um mundo decorrente do "processo de viver".

 
Outros Cadernos

Ciências

Clique em um título para ler a matéria:

• 18/03/08 - Idoya da 'Dinastia Rhesus'
• 14/09/07 - CIÊNCIA - FICÇÃO – UFOLOGIA
• 20/03/07 - Gene humano pode conter nome de Deus
• 20/03/07 - Pacal Votan
• 28/10/05 - Jornal Infinito No Mundo Animal
• 11/04/05 - AIDS / SERVIÇO
• 10/03/05 - Pela Sobrevivência do Planeta
• 02/02/05 - TSUNAMI
• 24/01/05 - Planeta cumpre seu ritual geológico
• 30/06/04 - O Universo Misterioso nº 1
• 02/03/04 - Mais rápido do que a velocidade da Luz
• 01/08/03 - Origem da Vida e Sua Evolução na Terra
• 16/06/03 - Stephen Hawking quebra a casca da nós
• 15/05/03 - Memória Extra-Cerebral: Evidências a favor da Reencarnação
• 08/05/03 - O SOM e a PES
• 29/04/03 - Odontologia sistêmica, o holismo na boca.
• 28/04/03 - A Psicologia Transpessoal
• 19/08/02 - A Terapia Bacteriofágica
• 16/11/01 - A mensagem do toro muerto.
• 28/09/01 - As chapas gravadas de UR.
• 12/09/01 - Jung e a Gnose.
• 18/08/01 - Arqueologia - Glozel França.


Séries

A Pensadora de Nicolelis

• 19/04/08 - Um caso interessante.
• 17/04/08 - Uri Geller ... Novamente
• 18/03/08 - A ciência de Cinderela
• 18/03/08 - Uma experiência telepática


Jornal Infinito no Mundo Animal

• 01/12/55 - Puberdade e cio nos caninos
• 01/12/05 - HAMSTERS E OUTROS ROEDORES
• 01/12/05 - PARTO EM CADELAS
• 01/12/05 - TÁRTARO DENTÁRIO
• 28/10/05 - Jornal Infinito No Mundo Animal
• 28/10/05 - Rupert Sheldrake - Parte II ( continuação de: Criação E Saúd...


A Ciência Perante o Desconhecido

• 31/05/04 - A Ciência Perante O Desconhecido
• 31/05/04 - Desta Vez Foi Por Pouco
• 31/05/04 - O Universo Misterioso nº1
• 31/05/04 - O Universo Misterioso nº 2
• 31/05/04 - A Via Láctea
• 31/05/04 - Gaia Oculta (Em Construção)
• 31/05/04 - Algumas Hipóteses
• 31/05/04 - Saber Oculto
• 31/05/04 - Catastrofismo(Em Construção)
• 31/05/04 - AQUA / VITA (Em Construção)
• 31/05/04 - Ficção e Realidade(Em Construção)
• 31/05/04 - "Cum Scire" (Conhecer Com)
• 31/05/04 - O que é o Possível e o que é o Absurdo? (Em Construção)


Gaia: A Terra Viva

• 01/08/03 - Gaia - A Terra Viva
• 01/08/03 - Hipótese Gaia


História/Arqueologia/Paleontologia

• 01/08/03 - O Gênesis Polêmico
• 01/08/03 - Arqueologia e Paleontologia
• 01/08/03 - Arqueologia Proibida: A História Oculta Da Raça Humana
• 01/08/03 - A Revisão da História Antiga - Uma Perspectiva
• 01/08/03 - Pesquisadores apresentam fósseis mais antigos do 'Homo sapie...
• 01/08/03 - Com bom humor: As incertezas da pré-história
• 31/07/03 - O Caminho Para a Humanidade


Pela Sobrevivência do Planeta

• 27/04/05 - A TEORIA DE CARL SAGAN SOBRE O EFEITO ESTUFA
• 30/03/05 - A hipótese gaia de Lynn Margulis
• 30/03/05 - O efeito estufa e o sol primevo
• 10/03/05 - Não podemos mais esperar
• 10/03/05 - Pela Sobrevivência do Planeta
• 10/03/05 - Perspectivas para o Brasil


Física/Exobiologia

• 04/08/03 - As Civilizações I, II e III
• 04/08/03 - David Bohm e a sua teoria da Ordem Implícita


Antropologia

• 20/03/07 - Pacal Votan
• 04/08/03 - A hipótese do antropólogo Jeremy Narby


Mitologia

• 04/08/03 - As quatro faces de Deus
• 04/08/03 - A Origem e a concepção do Mundo: Aiyé e Órun - cultura afro...
• 04/08/03 - A Pesquisa Mitológica de Jeremy Narby


A Origem da Vida

• 04/08/03 - A Origem da Vida
• 04/08/03 - A Sopa Prebiótica
• 04/08/03 - Vida surgida do barro
• 04/08/03 - Semeados do Espaço
• 04/08/03 - Panspermia Direta
• 04/08/03 - A teoria de Lakhowsky


Teoria do Criacionismo

• 04/08/03 - Desnudando Darwin
• 04/08/03 - Criacionismo - Uma Rápida Resenha


Teoria do Evolucionismo

• 04/08/03 - Criacionismo Científico
• 04/08/03 - A Ciência e a Evolução
• 04/08/03 - Ceticismo Aberto - Parte 1
• 04/08/03 - Ceticismo Aberto - Parte 2


Teorias Recentes

• 04/08/03 - Intelligent Design (Desenho Inteligente)
• 04/08/03 - Princípio Cosmológico Antrópico
• 04/08/03 - Cladismo
• 04/08/03 - A História da exposição do British Museum
• 04/08/03 - Equilíbrio Pontuado
• 04/08/03 - Os Nativos Estão Inquietos


Críticas

• 05/08/03 - O Destino da Natureza - "Fine Tuning"
• 05/08/03 - Darwin on Trial - Philip Johnson
• 05/08/03 - Desafiando os Mitos de Darwin
• 05/08/03 - Enfrentando a aposta de Darwin - Parte 1
• 05/08/03 - Enfrentando aposta de Darwin - Parte 2
• 05/08/03 - Enfrentando aposta de Darwin - Parte 3


Dúvidas e "Hoaxes"

• 05/08/03 - O Registro Fóssil
• 05/08/03 - Celacanto: O Fóssil
• 05/08/03 - Cientistas desvendam fraude do dinossauro-pássaro
• 05/08/03 - As pedras no Caminho de Darwin
• 05/08/03 - Observatório da Imprensa
• 05/08/03 - O Célebre "Hoax" de Haeckel
• 05/08/03 - A Explosão do Cambriano
• 05/08/03 - Descoberta Ave Primitiva
• 05/08/03 - Os Milagres da Evolução
• 05/08/03 - Archeopteryx e os Criacionistas
• 05/08/03 - Archeopteryx
• 05/08/03 - A Religião do Relojoeiro Cego


Debates / Entrevistas

• 08/08/03 - Postscript I
• 08/08/03 - Johnson comenta a minha revisão
• 05/08/03 - Controvérsias: A Explosão Cambriana


Evolução

• 13/12/02 - Neurociências.
• 13/12/02 - No século 21.
• 12/12/02 - A linguagem.
• 12/12/02 - A teoria da cognição.
• 12/12/02 - Nossos primos os chimpanzés.
• 12/12/02 - O sopro do espírito.
• 12/12/02 - O universo autoconsciente de Amit Goswami.
• 05/12/02 - Introito.


Medicina Alternativa

• 21/11/02 - A música como recurso terapêutico.
• 13/06/02 - O som e a saúde.
• 15/05/02 - A poluição sonora.
• 15/05/02 - Relax pelo som.
• 15/05/02 - Som alma e espírito.


Psicologia

• 29/09/02 - Jung e a morte.
• 23/09/02 - Paralisia do Sonho e o Sonho Lucido.
• 26/09/01 - Psicologia - Georg Grodeec: o verdadeiro pai da psicanálise.


Ecologia

• 28/10/05 - Jornal Infinito No Mundo Animal
• 20/12/02 - A energia radiônica.
• 20/12/02 - Radiônica albores.
• 17/12/02 - Onde se casam a mitologia e a ciência.
• 17/12/02 - Radiância e alimentação saudável.
• 16/12/02 - O sábio da Índia e o um Original.
• 13/12/02 - Plantas não toleram mentiras.
• 10/12/02 - As plantas e a percepção extra-sensorial.
• 10/12/02 - Goethe, poesia e ciência.
• 12/10/02 - Os seres verdes da natureza.


Psicologia e os contos de fadas

• 11/07/02 - A pequena sereia.
• 04/07/02 - A Bela Adormecida.
• 01/07/02 - João e o Pé de Feijão.
• 28/06/02 - Branca de Neve
• 27/06/02 - Chapeuzinho Vermelho.
• 14/06/02 - O gato de botas.
• 14/06/02 - Simbad.
• 13/06/02 - A Psicanálise dos Contos de Fadas.
• 13/06/02 - Os três porquinhos.


Shamanismo - Antropologia e Biologia

• 01/02/02 - Ciência e Materialismo.
• 01/02/02 - Pablo Ameringo.
• 02/01/02 - Dupla Visão.
• 12/12/01 - As Pirâmides do Egito.
• 12/12/01 - Desfocalisando.
• 11/12/01 - As figuras de Nazca: Peru.
• 11/12/01 - O Curare.
• 03/12/01 - Shamans.
• 29/11/01 - A Serpente Cósmica.
• 12/05/01 - A Serpente Cósmica - o DNA - Coresspondências e Conexões.


   
 
| Copyright 2003 - Todos os direitos reservados ao Jornal Infinito |